Uso dos Porquês

Tempo de leitura: 3 minutos

Simplificando os porquês – por que – por quê – porquê

Os porquês são muito cobrados nas provas de concursos públicos e também nos vestibulares. Além disso, muitas pessoas e estudantes têm dúvidas quanto ao emprego deles. Por essa razão, resolvi fazer um poste para que, realmente, você possa entenda quando empregá-los.

Há 4 porquês na língua portuguesa e vamos trabalhar cada um deles de forma bem objetiva e didática para que você os compreenda e não fique mais com dúvidas.

Por que = substitui por “razão pela qual” – “pelo qual” ou “por qual razão”:

Pronome relativo quando “por que” fizer referência a um termo anterior, muitas pessoas não sabem as funções morfológicas dos porquês. Por isso é que vamos falar a função de cada um deles.

1. Não sei a razão por que você não veio à festa.
2. Não sei a razão pela qual você não veio à festa.

1. A pessoa por que me apaixonei era muito linda.
2. A pessoa pela qual me apaixonei era muito linda.

Pronome interrogativo quando for empregado para fazer perguntas; normalmente, é substituído por “razão pela qual” ou “motivo pelo qual”.

1. Por que não veio à festa ontem?
2. Por qual razão não veio à festa?

1. Por que ele ficou em casa?
2. Por qual razão ele ficou em casa?

Porque = substitui por  “já que, pois” – “para que”:

Conjunção causal quando “porque” for substituído por “pois, já que”. Você notará que haverá sempre um “motivo” na oração. 

1. Não veio à aula porque estava doente.
2. Não veio à aula pois estava doente.

1. Porque não passou na prova, ficou muito triste.
2. Já que não passou na prova, ficou muito triste.

Conjunção explicativa quando “porque” for substituído por “pois”, todavia dará um sentido de esclarecimento.

1. Estude porque você terá prova amanhã.
2. Estude pois você terá prova amanhã.

1. Choveu muito porque a rua está bem molhada.
2. Choveu muito pois a rua está bem molhada.

Conjunção final quando “porque” for substituído por “para que”. Você perceberá que a frase denotará um sentido de futuro (algo que ainda não foi alcançado). 

1. Ajoelhou-se porque fosse curado.
2. Ajoelhou-se para que fosse curado.

Porquê = substituído por “motivo”:

Substantivo quando o “porquê” vier seguido de determinantes (artigos, pronomes) ou quando for substituído por “motivo”. Esse porquê poderá sempre sofrer pluralização.

1. Diga-me o porquê de tudo.
2. Diga-me o motivo de tudo.

1. Qual o seu porquê?
2. Qual o seu motivo?

Perceba que o porquê poderá será empregado também antes de pontuação ou no final de frase, poderá também ser empregado para fazer perguntas. Por essa razão, tome muito cuidado ao pensar que apenas “por que” é usado para perguntas.

Por quê = usando para dar ênfase e vem antes de pontuação:

Como antes de pontuação o “quê” é um monossílabo tônico, ele deverá ser acentuado.  Uma super dica é também sempre trocar “por quê” por “por qual motivo”; você perceberá que ficará mais fácil.

1. Diga-me por quê?
2. Diga-me por qual motivo?

1. Ela está sempre mentido e não sei por quê.
2. Ela está sempre mentido e não sei por qual razão.

Agora, você já é capaz de fazer qualquer questão sobre os porquês em provas de concursos públicos ou vestibulares ou também de empregá-los em seu dia a dia. Aprenda muito mais com nossas videoaulas exclusivas em nossa plataforma de vídeos – PORTUGUESPLAY.

uso dos porquês, porque, por que
Curso de Português para concursos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *